domingo, 22 de março de 2015

A raposa sombria, de Sjón



    Assim como a compra deste livro que foi despretensiosa, li o livro sem esperar algo extraordinário, e talvez por isto este livro me surpreendeu. O que me chamou a atenção foi o título dizendo que era uma lenda islandesa e ao comentário na capa da cantora Björk que dizia: "Quando preciso de algo épico e lírico, eu recorro ao Sjón. A raposa sombria é uma novela mágica." Sou fã da cantora Björk e aos poucos me empolguei com a possibilidade de encontrar algo "mágico", como ela disse.
    O livro possui apenas quatro capítulos onde o primeiro datam dos dias 9 a 11 de janeiro de 1883, o segundo capítulo datam dos dias 8 a 9 de janeiro de 1883, o terceiro datam dos dias 11 a 17 de janeiro de 1883 e o último capítulo data do dia 23 de março de 1883. Este brincadeira com a cronologia não é mero descaso do autor, mas gera ao ler uma busca para entender o porquê de cada detalhe dado em cada capítulo. Só entendi quem eram os personagens ao final do livro.
     A raposa neste livro é mais do que um simples animal que ao princípio estava sendo caçada em um dia que nevava, mas pensando em unir a mitologia nórdica e a representação de quem era a raposa em "Odd e os Gigantes de Gelo", de Neil Gaiman, que a raposa era o deus Loki. No começo pensei que talvez estava querendo encaixar algo que não era, mas ao longo do livro só foi se confirmando esta possibilidade de associação.
      Não quero falar muito sobre este livro, não por estar com preguiça, mas que o interessante nele é descobrir e conectar as informações. 
          A letra da música "Wanderlust", que é uma música da Björk com colaboração de Sjón, conversa muito que este livro, pois o livro renega o "civilizado" para "navegar nas leis da natureza".  


     

        
Na minha percepção a música se conectou não só a raposa como se mesclou com a "lenda" criada sobre Abba.

  Este livro trata de forma muito cuidadosa e "mágica" sobre assuntos que são pesados. Realmente, esta foi uma das minhas melhores leituras do ano.
 
   

2 comentários:

  1. Que incrível, Jéssica! Não conhecia e fiquei muito curiosa. Adoro o trabalho da Björk, ela é sempre inovadora!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se gosta de Björk acredito que gostará do livro. Eu sou muito fã do trabalho da Björk, isto me deixou curiosa em conhecer este livro e ler outros livros que ainda estão numa listinha de livros que ela gosta muito.
      Obrigada por me visitar aqui!
      Beijos

      Excluir